22 julho, 2015

LOSURDO, Domenico. Rivoluzione d’Ottobre e democrazia nel mondo. Tradução para Língua Portuguesa de Marcos Aurélio da Silva

LOSURDO, Domenico. Rivoluzione d’Ottobre e democrazia nel mondo. La Scuola di Pitagora: Napoli, 2015. 25 p. Tradução portuguesa de Marcos Aurélio da Silva.

REVOLUÇÃO DE OUTUBRO E DEMOCRACIA NO MUNDO
É a tradução de um recente artigo do filósofo italiano Domenico Losurdo, professor emérito da Universidade de Urbino (IT), que gentilmente cedeu a licença para esta publicação. Publicado ainda este ano como livreto pela editora La Scuola di Pitagora, o texto resulta da reelaboração de uma Conferência pronunciada pelo autor no ano de 2007, na livraria Feltrinelli da cidade de Nápoles, no âmbito do Ciclo I Venerdì della politica ‒ Cos’ è la democrazia (As sextas-feiras da política – O que é a democracia), promovido pela Società di studi politici – Scuola di Alta Formazione dell’Istituto Italiano per gli Studi Filosofici.

Texto completo: PDF/A



R. Inter. Interdisc. INTERthesis, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 1807-1384

https://periodicos.ufsc.br/index.php/interthesis/article/view/1807-1384.2015v12n1p361
+ Leia mais...

23 junho, 2015

Domenico Losurdo faz conferência no Rio e debate marxismo e disputas ideológicas

 
Foto: Pedro Rocha
Foto: Pedro Rocha

Com o auditório do Conselho Regional de Economia do Estado do RJ (Corecon) lotado de sindicalistas, jovens e intelectuais, foi realizado pela Fundação Mauricio Grabois, na segunda-feira (22) a conferência: Marx e o balanço histórico do século 20 com o filósofo Domenico Losurdo. Uma das grandes lideranças da esquerda brasileira e líder do PCdoB na Câmara Federal, Jandira Feghali ressaltou que “esses encontros têm que ser intensificados para que a sociedade brasileira tenha condições de encontrar alternativas para se contrapor as agendas dos grupos políticos de direita que ostentam o ódio e a exclusão social”.
Sobre as relações de poder que remetem ao colonialismo, Losurdo afirmou que “em nossos dias, os elementos de conflito presentes neste processo, longe de se atenuarem, resultam nitidamente mais acentuados. O Manifesto do Partido Comunista fez a sua análise num momento em que nenhum movimento emancipador despontou nas colônias: em tais condições, a globalização é, ou parece ser, uma relação mais ou menos equânime entre países com um grau de desenvolvimento mais ou menos homogêneo, agora, ao contrário, ocorre que a globalização é também um instrumento com que as grandes potências tratam de recuperar o controle da economia dos países que sacudiram o jugo colonial”.
Para a parlamentar, a palestra de Losurdo evidência os verdadeiros portadores dos movimentos libertários pelo mundo. “Esse encontro é de suma importância para enfrentarmos o senso comum de que a direita, os liberais são os verdadeiros protetores da liberdade e da justiça social. A intervenção do filósofo mostra justamente o contrário. São os comunistas e marxistas, que através das revoluções socialistas, trouxeram novos conceitos de liberdade e a disposição de estarem sempre à frente na luta pela fim da exclusão social”.
Em seu livro, “Marx e o balanço histórico do século 20”, o Domenico destacou, entre outras questões, a avaliação de Lênin sobre a questão do imperialismo.“ A partir da análise do imperialismo, Lênin sublinha a importância da questão nacional inclusive para além da Europa e do Ocidente: o movimento de libertação dos povos coloniais é parte integrante do processo revolucionário mundial pela democracia e o socialismo”.
Losurdo fez o lançamento de dois de seus livros: “Marx e o balanço histórico do século XX”, da Editora Anita Garibaldi, e “A luta de classes: uma história política e filosófica”, da Boitempo Editorial.
O evento fez parte de uma extensiva agenda do italiano pelo Brasil, desde o dia 10 de junho, quando participou do Seminário Internacional Cidades Rebeldes, no Sesc Pinheiros, prosseguindo por conferências em Santo André (SP), São Paulo (SP) e São Luís (MA). No dia seguinte ao debate no Corecon-RJ, Losurdo prosseguiu para Universidade Federal Fluminense em Niterói.
Estiveram presentes o presidente estadual do PCdoB, João Batista Lemos; o presidente estadual da CTB, Ronaldo Leite; e várias lideranças dos movimentos sociais, sindicais e estudantis. 

 http://sigajandira.com.br/site2/domenico-losurdo-faz-conferencia-no-rio-e-debate-marxismo-e-disputas-ideologicas/
+ Leia mais...

22 junho, 2015

Em auditório lotado, Domenico Losurdo lança livro na FSA

Ouça a entrevista: http://www.fsa.br/imprensa/not%C3%ADcias/item/323-em-audit%C3%B3rio-lotado,-domenico-losurdo-lan%C3%A7a-livro-na-fsa


Domenico Losurdo
No último sábado, 13 de junho, o filósofo italiano, Domenico Losurdo, palestrou no auditório da FAFIL, que estava completamente lotado. O evento marcou também o lançamento de suas obras mais recentes: A Luta de Classes - Uma História Política e Filosófica e Marx e o Balanço Histórico do Século XX, pela Editora Bontempo, e da Revista Cadernos de Ciências Sociais, n. 4, editada pelo Colegiado de Ciências Sociais da FSA. Com um sotaque italiano muito característico, somado aos gestos comuns com as mãos, que marcam os italianos quando falam, seu discurso foi traduzido simultaneamente por um intérprete que procurava passar a mesma emoção apresentada pelo palestrante.
(veja as fotos do evento) 
Esquerda brasileira e europeia - Perguntado pela FSA sobre as diferenças da "esquerda" brasileira em relação à europeia, o filósofo afirmou que na Europa, a esquerda ainda sofre as consequências da queda do Muro de Berlin em 1989. Para ele, desde então, a esquerda sofreu, e ainda tenta se recuperar. Losurdo não vê uma luta anti-imperialista na Europa, como acontece no Brasil e na América do Sul. "No Brasil, é o contrário. É muito forte o envolvimento contra o imperialismo, e isto não existe mais na Europa neste momento", comentou.
Sobre as imigrações ilegais na Europa – A reportagem da FSA perguntou ao filósofo sobre o papel dos partidos de esquerda para apoiar a onda de imigrantes ilegais na Europa, pois somente no primeiro trimestre deste ano, cerca de 60 mil pessoas chegaram ilegalmente à Europa, tudo isso causado pelos conflitos no Oriente Médio (em especial o caos na Líbia e Síria); a pressão demográfica na África; a crescente capacidade da indústria dos traficantes de pessoas e as próprias dificuldades da UE para administrar este problema.
Losurdo informou que há muita confusão na esquerda neste momento sobre este tema. "A Europa tem uma obrigação com estes povos, uma obrigação história e moral com todos os povos que estão sofrendo. Os Estados Unidos e a Europa devem ajudá-los por conta das guerras que promoveram nestes países", disse.
O filósofo afirmou ainda que a única solução para estes países é por meio de um desenvolvimento econômico e social. "Deve acontecer um espírito de solidariedade para com estes imigrantes e a obrigação da esquerda é a de expressar toda a solidariedade e também a de acompanhar para que seja construído um desenvolvimento real nestes países, mas sem as ameaças de intervenção da OTAN", finalizou.


+ Leia mais...

Encontro do PCdoB com Domenico Losurdo




y5bNvaywKHH1Qa8TJqZI3Oq-JFC9nZlAA4PmB_JkPVE,3cv2Ek8GNmmRQzN_78mN2DaBJaQW7tKra_rOneKYJsg,8-UbnzaneD59M5rrKDuDpQpHJiaX64ihoJSU36gxAiQ
Encontro do Professor Domenico Losurdo com Renato Rabelo, ex-presidente do PCdoB, na sede nacional do Partido em São Paulo no dia 15 de junho, por ocasião da palestra de um dos mais respeitados filósofos marxistas da atualidade. Desde 1988 preside a Internationate Gesellschaft Hegel-Marx (Sociedade Internacional Hegel-Marx para o pensamento dialético) e é membro fundador da Associação Marx Século XXI. Lecional filosofia da história na Universidade de Urbino e possui uma obra monumental e é um dos estudiosos italianos mais traduzidos no mundo.
Losurdo — ao final de sua palestra sobre “Lênin, o imperialismo e as guerras”, lançou seu livro “Marx e o balanço histórico do século XXI”, publicado pela Editora Anita Garibaldi e a Fundação Maurício Grabois.
Participaram do encontro com o professor Losurdo também o presidente da Fundação Maurício Grabois, Adalberto Monteiro e o diretor da Fundação, Pedro Oliveira.
+ Leia mais...

Domenico Losurdo faz palestra e lança livro na sede do PCdoB

O filósofo marxista italiano Domenico Losurdo ministrou nesta segunda (15), a Palestra "Lênin, o imperialismo e as guerras", na sede do PCdoB, em São Paulo. O evento, organizado pela Fundação Maurício Grabois e pela Sociedade Amigos de Lênin, também marcou o lançamento dos seus livros “Marx e o balanço histórico do século 20” e “A luta de classes: uma história política e filosófica”. Antes, Losurdo foi recebido pelo secretariado do PCdoB, e pela presidenta nacional do Partido, Luciana Santos.



Foto: Joanne Mota
   
O pensador italiano é, desde 1988, presidente da "Sociedade internacional Hegel-Marx para o pensamento dialético". Ele também é membro fundador da "Associação Marx Século 21" e professor de filosofia da história na Universidade de Urbino. Com diversos livros lançados, Losurdo possuiu uma obra vasta, tendo sido traduzido para inúmeras línguas.

Em seu livro, “Marx e o balanço histórico do século 20”, o filósofo destaca, entre outras questões, a avaliação de Lênin sobre a questão do imperialismo.

“A partir da análise do imperialismo, Lênin sublinha a importância da questão nacional inclusive para além da Europa e do Ocidente: o movimento de libertação dos povos coloniais é parte integrante do processo revolucionário mundial pela democracia e o socialismo”.

O pensador italiano diz ainda que “Lênin compara a luta da jovem Rússia soviética contra a agressão imperialista alemã ao combate que, outrora, a Prússia conduzira contra a invasão e ocupação napoleônica”.

Sobre as relações de poder que remetem ao colonialismo, Losurdo afirma que “em nossos dias, os elementos de conflito presentes neste processo, longe de se atenuarem, resultam nitidamente mais acentuados. O Manifesto do Partido Comunista faz a sua análise num momento em que nenhum movimento emancipador desponta nas colônias: em tais condições, a globalização é, ou parece ser, uma relação mais ou menos equânime entre países com um grau de desenvolvimento mais ou menos homogêneo, Agora, ao contrário, ocorre que a globalização é também um instrumento com que as grandes potências tratam de recuperar o controle da economia dos países que sacudiram o jugo colonial”.

Durante o evento desta segunda-feira (15), ele lembrou também que o colonialismo formal, o político, pode até não existir mais, mas outra forma de colonialismo segue vigente, o econômico.

Losurdo explicou que, muitas vezes, certos historiadores tentam apresentar o surgimento das duas grandes Guerras Mundiais como um acaso quando, na verdade, os conflitos tiveram matriz na postura de nações imperialistas.

O caso dos chineses, que lutaram na época da Segunda Guerra contra o colonialismo japonês, é emblemático, tornando-se referência da luta anti-imperialista no mundo todo.

O filósofo participará ao longo dos próximos dias de diversas atividades ainda como parte da divulgação de seus livros no Brasil.

Nesta terça-feira (16) haverá a conferência “A luta de classes: uma história política e filosófica” na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Na quinta (18), ele estará no Maranhão, onde faz a conferência magna na Universidade Federal do Maranhão (UFMA) e nos dias 22 e 23, Losurdo falará sobre seu trabalho no Rio de Janeiro. 



Do Portal Vermelho, Tayguara Ribeiro
+ Leia mais...